quarta-feira, 9 de maio de 2007

E a luta continua, companheiros!!


Estou começando a achar que os entrevistadores de emprego não gostam da minha escrita. Deve ser algum tipo de complô!!!!

Passei por mais uma "experiência" ( se é que podemos chamar o desemprego disso... ).

Fui fazer entrevista em uma empresa de logística. Eles estavam querendo uma pessoa que tivesse Cambridge ( quem nesta p... de país tem esse teste de proficiência???? ). Como eles não devem ter arrumado ninguém com esse título, começaram a pegar as pessoas com inglês fluente para fazer a bendita entrevista ( estava incluída nesse meio ).

Cheguei lá, toda arrumadinha ( para variar ). A entrevistadora me atendeu, de forma simpática, e me trouxe um papel escrito todo em inglês. Pronto. Mais uma redação!!!! Até agora não entendo o porquê disso. Coerência verbal? ( Nunca iria escrever "she are" nem "I is"... ) Raciocínio lógico? ( Só estudei isso em matemática... ) Enfim... Ela me disse que tinha que ser uma redação em inglês, com no mínimo 10 linhas ( as benditas linhas de novo ) e tema livre ( para me fornicar de vez ).

Tendo em vista a experiência da outra redação pensei em um tema mais leve. Ela ficou mais ou menos assim ( fiz uma letra bem grande para poder preencher as 10 linhas ):
"Hoje em dia um dos temas mais citados nas rodas de conversa do mundo todo é a desilusão das pessoas. Às vezes isso acontece por falta de dinheiro, às vezes por causa de desilusão amorosa ou também pela violência que presenciamos diariamente. Porém há duas soluções para resolver esse problema. A primeira é liberar a mente. Seja mente aberta com tudo e todos e seja feliz. Caso isso não dê certo está na hora de você procurar por um prozac."

Pois é, não passei de novo...

4 comentários:

melrose disse...

mas lary, a redacao nao tinha que ser em ingles? voce escreveu em portugues! eu gostei muito, voce tem um dominio muito bom da lingua portuguesa o que para mim e sinonimo de inteligencia.

mas eu acho que sei o que aconteceu desta vez, ja passei por isso. em se tratando de emprego eles querem uma pessoa neutra, que nao mostre muito um raciocionio complicado...sei que e dificil para pessoas inteligentes que conseguem falar de assuntos muito mais interessantes do que os relacionados ao trabalho em si.

acho que talvez se tivessa falado de algo menos polemico como por exemplo...algo relacionado ao cargo que pretendia ocupar....se era para o cargo de selecionadora de candidatos fluentes em ingles...diga em ingles qual o seu criterio de avaliacao, o que considerara importante que o candidato saiba para que voce o avalie positivamente.

a escrita e um meio de comunicacao poderosissimo com o qual voce pode fingir...(ja dizia fernando pessoa em seu poema: o poeta e um fingidor, finge tao completamente que chega a fingir que e dor a dor que deveras sente) e manipular as palavras de tal maneira a fazer com que o leitor forme uma determinada opiniao a seu respeito. pense nisso.

so porque pediram pra voce escrever qualquer coisa...nao significa que voce precisa escrever aquilo que se passa no seu coracao...numa entrevista de trabalho nao e a hora de ser sincera e verdadeira.....escreva com um proposito...o de causar uma boa impressao no leitor (no caso a pessoa que ira ler a sua redacao...a sua avaliadora) a impressao de que voce e a pessoa certa para o cargo.

faca uma experiencia...depois me conta.

Perse disse...

Vai ver que ela se sentiu ofendida com sua redação xD
Da próxima, escreve sobre a guerra no iraque. ¬¬'

Gostei do blog! ^^

Beatriz disse...

IUHAUIhuiaHUIa

Acho que foi a parte do prozac que ela não gostou xD

Estuda para concurso público, é a saída xD

Larissa Frade disse...

Querida Mel,

a redação foi em inglês. Aqui eu fiz uma tradução do que escrevi na hora. Obrigada pelo elogio quanto a minha forma escrita.

Poderia até ter feito uma redação falando sobre a alegria de ocupar o cargo oferecido. Só que tinha um problema: eu não sabia o que era o cargo oferecido. Você sabe o que faz uma assistente bilingue? Pois é, nem a entrevistadora sabia me explicar direito!!!

Eu parto do seguinte princípio: se você dá um papel para uma pessoa fazer uma redação sobre qualquer coisa esteja preparado para ler o que a pessoa estiver afim de escrever. Se não quer isso então coloque um tema. Exemplo: existe miséria no Japão, quem é você, quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha, etc.

Bom, mas o lance é que eu não me preocupo com o que eles irão achar do que escrevo ou não. É o que eu falo para a minha mãe e ela concorda plenamente comigo: eu tenho que mostrar um diferencial, me destacar de alguma forma. Se irá ser de forma positiva ou não isso vai da cabeça de cada um.

Bjs e se cuida =)